Homem abate cadela a tiro para pôr fim ao sofrimento e agora pode ser preso

Homem abate cadela a tiro para pôr fim ao sofrimento e agora pode ser preso

Um homem confessou ter abatido a sua cadela, que sofria de uma doença terminal, para não prolongar mais o seu sofrimento e agora é acusado de crueldade animal. Michael Whalen, de 65 anos, vive na Virgínia, Estados Unidos, e admitiu à imprensa local que a Allie padecia de uma doença chamada Cushing, que causa tumores nas glândulas responsáveis pela produção de hormonas.

Em fevereiro de 2016, a Allie começou a sentir já algumas fragilidades devido à doença, mas Michael Whalen achou que ainda não era a hora certa para colocar um ponto final à sua vida. “A Allie ainda não estava pronta, nem eu. Ainda se divertia e estava estável com medicação”, explicou Whalen ao ’13NewsNow’.

No entanto, o estado de saúde da Allie piorou nos últimos meses e o homem, que disse ser “demasiado arriscado” levá-la ao hospital, colocou a sua cadela dentro de um carrinho de mão e levou-a para a praia antes do nascer do sol. Abateu-a a tiro e enterrou-a na areia. “Tinha escolhido um lugar para ela. Adorava o mar e a praia”, disse Michael Whalen, que revelou ainda ter chorado enquanto cavava um buraco na areia.

A 3 de fevereiro deste ano, a polícia começou a investigar o caso e o homem, além de ter sido acusado de crueldade animal, enfrenta agora uma acusação de eliminação ilícita de resíduos, que lhe pode valer uma coima entre 200 e 1000 dólares ou uma pena de prisão entre seis meses e um ano. O julgamento decorre a 26 de junho.

Artigos relacionados

Seca: Governo anuncia apoios para alimentação animal a partir de hoje

O ministro da Agricultura Florestas e Desenvolvimento Rural, Capoulas Santos, referiu ontem, quinta-feira, no parlamento, que vão ser entregues até 4.500 toneladas de ração para animais e disponibilizadas linhas de crédito até cinco milhões de euros.

Conheça e ajude o abrigo da D. Celeste, vítima dos incêndios de Pedrógão Grande

Conheça e ajude a D. Celeste, vítima dos incêndios de Pedrógão Grande, que tinha cerca de 40 animais no seu abrigo e a história de Cláudia Silva que acompanhou tudo pelo Facebook e decidiu ir de Lisboa até lá para a ajudar. Veja o vídeo!

Street Cats Photography Competition: já não tem muito mais tempo para se inscrever

Se quiser inscrever-se nesta competição que fotografa gatos de rua, terá de o fazer até às 23h59 do dia 15 de maio.