Espinho | Nova política de apoio animal

Espinho | Nova política de apoio animal

A Câmara Municipal de Espinho tem uma nova política de apoio animal para corresponder à lei e suprir algumas carências.

Segundo o website da Câmara Municipal de Espinho, o presidente da autarquia, Joaquim Pinto Moreira, diz que o canil municipal e a Associação de Municípios das Terras de Santa Maria não têm resposta para acolher todos os animais e, por isso mesmo, “decidimos recorrer ao associativismo local e apoiar mais as instituições que já vêm acolhendo cães e gatos errantes há muito tempo e conseguem umas 150 adoções por ano”, referiu Joaquim Pinto Moreira.

A Câmara Municipal de Espinho  já disponibilizava, anteriormente, apoio logístico a esses organismos, contudo, agora a estratégia inclui também a atribuição de 18.000 euros anuais à associação Patinhas Sem Lar, que gere dois abrigos no concelho, sendo a associação com maior dimensão na zona. Desta forma, a instituição pode reforçar a sua atividade, acolhendo mais animais, por exemplo.

Simultaneamente, está a decorrer o programa de esterilização animal que em 2017 venceu a primeira edição do Orçamento Participativo de Espinho e ganhou 50.000 euros, para o efeito.

No futuro, o autarca defende a construção de mais um canil no concelho, devido ao número de animais existentes, dado que a esterilização ainda demorará alguns anos até “fazer efeito”. “Por enquanto está tudo controlado com o investimento da Câmara e com o trabalho das associações, mas a certa altura isso não vai chegar”, diz Joaquim Pinto Moreira.

Fonte: Câmara Municipal de Espinho

Artigos relacionados

BE defende uma lei contra maus-tratos a animais “mais efetiva”

O Bloco de Esquerda criticou a adoção sem esterilização e o abate em centros de recolha oficial do animal se mantenham “passados dois anos do período transitório”, e defendeu uma lei contra maus-tratos “mais efetiva”.

Max e Louise: duas verdadeiras estrelas das redes sociais

O Max e a Louise são verdadeiras estrelas nas redes sociais, particularmente no Instagram. Vivem em Lisboa, têm quase 28 mil seguidores e fotografias de fazer inveja a muita gente.

Investigadores conseguem atrasar progressão da doença de Machado-Joseph em animais

Investigadores do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS) da Universidade do Minho demonstraram ser “possível atrasar a progressão” da doença de Machado-Joseph em animais.