Centro Hospitalar e Universitário do Algarve | Cadela especial ajuda crianças com Trissomia 21

O projeto inovador TAA21 surge com o objetivo de complementar o trabalho de neuroreabilitação de cinco crianças entre os 2 e os 5 anos, portadoras de Trissomia 21, com as terapias assistidas por animais.

O TAA21 iniciou-se em maio, desenhado conjuntamente com o Centro de Neuropediatria e Desenvolvimento e o Centro de Formação, Investigação e Conhecimento do CHUA e contempla 76 sessões divididas ao longo de sete meses. A equipa é composta pelas terapeutas Conceição Silva, Carla Joaquim e Sérgio Cardoso.

Segundo o Barlavento, a terapeuta Conceição refere que “enquanto terapeuta, os resultados são óbvios: o animal neste contexto é um incrível facilitador. O espaço de terapia converte-se num local muito mais motivador, divertido, e perde a carga negativa que tinha. É extraordinário que um único cão, durante um dia consiga assistir cinco crianças. É fantástico verificar o treino e capacidade de trabalho durante tanto tempo e em tantas situações e a forma como os miúdos interagem e respondem a estes estímulos”.

A cadela Sueca faz as delícias de todos e, o projeto TAA21 também só é possível graças ao empenho de Daiana Ferreira, presidente da associação KOKUA que treina, prepara, certifica e trabalha de forma diária os animais para operarem neste tipo de contextos. Daiana refere que “tem sido uma experiência fantástica. Um trabalho muito sério e rigoroso que não pode ser realizado de forma leviana. Uma descoberta aliás, em várias vertentes de diferentes patologias. Contudo, o processo de reabilitação e aprendizagem faz-se nos contextos do dia a dia e não em terapia. É na escola, em casa, na rua que o ambiente tem de ser favorável para que a criança crie mecanismos e se integre. No fundo, estamos a estabelecer vias de integração motora de padrões normais de funcionamento neurológicos, comportamentais e afetivos. O nosso papel é avaliar o que não está bem e saber que tipo de atividades temos de fazer”.

A terapeuta Conceição diz ainda que “as família estão muito contentes com este trabalho das Terapias Assistidas por Animais. Aliás, se por algum motivo o projeto terminasse agora acho que se dava uma revolução! A rapidez com que os miúdos adquirem algumas competências é enorme.”

Documentar de forma comprovada e científica os resultados destes projetos pioneiros de TAA é fundamental uma vez que “começou a haver muita solicitação para apresentar os resultados. Uma coisa é assistir a toda a evolução das crianças, outra é medir de forma científica em termos quantitativos e qualitativos a real evolução das crianças e qual o impacto do cão”, explica Daiana. Todos os registos, relatórios e escalas de avaliação, passaram agora a ser documentados de uma forma mais precisa do ponto de vista neurocientífico.

Fonte: Barlavento

Artigos relacionados

Guinness World Records 2017

Foram revelados em Londres, a 8 de setembro, alguns dos recordes do Guinness World Records 2017. Partilhamos aqueles que incluem recordes com animais!

Já planeou as férias do seu gato?

Quando partimos de férias, três cenários se colocam aos nossos gatos: vão connosco, ficam em casa ao cuidado de uma cat sitter ou vão para um hotel para gatos.

Europa | Primeiro santuário para Elefantes do circo

O primeiro santuário para Elefantes do circo, será aberto em Limousin (França), com a organização da World Animal Protection e a Elephant Haven.