Novas regras para a compra e venda de animais

Novas regras para a compra e venda de animais

O parlamento aprovou o texto final do projeto de lei do PAN que regula a compra e venda de animais de companhia e que proíbe o anúncio online de compra e venda de animais selvagens.

Aprovado ontem, com a abstenção do CDS-PP, o texto legal prevê que as transações de animais de companhia passem a obrigar a uma “declaração de cedência ou contrato de compra e venda do animal e respetiva fatura”, ou, se for o caso, um “documento comprovativo de doação”.

A transação passa também a implicar o comprovativo de identificação eletrónica e uma declaração do médico veterinário, “que ateste que o animal se encontra de boa saúde e apto a ser vendido”.

O diploma proíbe ainda a publicitação e venda online de animais selvagens.

O projeto de lei que regula estas duas matérias prevê multas entre os 200€ e os 3.740€ para casos de incumprimento.

Ainda no domínio dos animais de companhia, o parlamento aprovou, com a abstenção do PSD, um projeto de resolução do PAN que recomenda ao Governo que “proceda à publicação do despacho a fixar a data da constituição da obrigação de identificação de gatos”, dando cumprimento ao disposto na lei.

O Clube Português de Canicultura já emitiu um Comunicado no seu website sobre a aprovação na Assembleia da República deste projeto de lei.

 

NOTÍCIAS RELACIONADAS
CPC emite comunicado sobre compra e venda de animais de companhia
Canadá | Vancouver considera a proibição de venda de cães e gatos em lojas de animais

Artigos relacionados

Nova vacina contra a Leishmaniose Canina no mercado nacional

Foi lançada no mercado nacional a primeira vacina contra a Leishmaniose Canina baseada numa proteína recombinante e totalmente desenvolvida na Europa.

Dono perdeu tanto peso que o seu cão precisou de o cheirar para o reconhecer

Um cão chamado Willie não via o seu dono há 5 semanas e, quando o voltou a ver, não acreditava que era mesmo ele!

Consumo de carne de gato e cão passa a ser proibido em Taiwan

A penalização para quem o fizer será multa que pode ir dos 1500 euros até aos 60 mil euros, num país que se tornou o primeiro do continente asiático a avançar com esta proibição.