Jardim Zoológico comemora o nascimento de uma cria de Órix-de-cimitarra

O Jardim Zoológico tem um novo habitante: uma fêmea de Órix-de-cimitarra (Oryx dammah), nascida na madrugada do dia 19 de julho. Uma espécie extinta na Natureza há mais de 20 anos.

Esta espécie vive em jardins zoológicos ou áreas protegidas vedadas, nomeadamente, na Tunísia, Senegal e Marrocos, sob cuidados humanos e sob programas de reintrodução a longo prazo. Está também incluída no apêndice I da CITES (Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção), pois o tráfico ilegal representa uma das principais ameaças, podendo levar a estatutos de conservação mais graves.

A nova cria de Órix-de-cimitarra, que pode chegar aos 200 kg na fase adulta, integra agora uma família constituída por dois machos e três fêmeas. Veja o VÍDEO do seu nascimento.

Por ano, cada fêmea desta espécie pode dar vida a apenas uma cria, amamentada até aos 4 meses, altura em que se torna praticamente independente da progenitora. É ruminante, alimentando-se, maioritariamente, de herbáceas e pode passar longos períodos sem beber água.

Segundo o Eng. José Dias Ferreira, Curador de Mamíferos do Jardim Zoológico “O nascimento de mais um exemplar desta espécie representa um momento muito especial para o Zoo, uma vez que estes animais travam uma grande batalha contra a sua extinção. A caça, a seca e a desertificação das zonas áridas e desertas do Norte de África, contribuem em larga medida para este facto. É um orgulho podermos cooperar na sua reprodução e conservação”.

O papel do Jardim Zoológico é crucial para a conservação e preservação desta espécie que se encontra classificada como Extinta na natureza, segundo a UICN (União Internacional para a Conservação da Natureza). O objetivo a longo prazo é permitir a reintrodução nos seus habitats naturais.

Artigos relacionados

Homem acusado de cortar as cordas vocais aos seus cães

Um homem foi acusado pela polícia de Catalunha de cortar as cordas vocais a alguns dos seus 21 cães apenas com o intuito de diminuir os seus latidos.

Cadela acorrentada durante 5 anos roeu a própria pata para se conseguir libertar

A Treya esteve acorrentada numa casa vazia desde que o seu dono foi assassinado, mas escapou e vive agora com uma família de acolhimento.

Curso de verão | O estatuto dos animais

A Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa vai acolher, entre 26 de junho e 14 de julho, um curso de verão relacionado com o Estatuto dos Animais na Ciência, na Ética e no Direito.