Novo cardume de mantas no Oceanário

Novo cardume de mantas no Oceanário

O Oceanário de Lisboa recebeu um cardume de seis mantas da espécie Mobula hypostoma. Conhecida por diabo-do-mar-do-Atlântico, esta espécie habita zonas costeiras do Atlântico ocidental sabendo-se pouco sobre as suas populações, idade, crescimento e taxas de reprodução. Será uma oportunidade única de observar estas mantas na Europa.

“Consideramos fundamental dar a conhecer esta espécie e promover a sensibilização dos visitantes para as atuais ameaças face à sobre-exploração dos seus habitats. O papel do Oceanário na promoção da conservação da biodiversidade marinha concretiza-se, neste projeto, em facilitar o conhecimento científico desta manta, dado que é uma espécie pouco estudada no ambiente natural. ”, afirma Núria Baylina, Curadora do Oceanário de Lisboa.

Após a sua chegada ao Oceanário, as mantas passaram por um período de aclimatação às novas condições de vida. Foram também treinadas para serem monitorizadas pela equipa de aquaristas. Na sequência, foram introduzidas no aquário central, permanecendo vários dias numa estrutura de isolamento para habituação ao aquário.

O diabo-do-mar-do-Atlântico pode atingir 120 cm de envergadura. Forma pequenos cardumes, que se alimentam de zooplâncton, pequenos camarões e peixes. Ao habitar preferencialmente zonas costeiras, é alvo de pesca comercial e acidental. O seu estatuto de conservação é inexistente, por não haver dados suficientes.

O pequeno cardume de diabos-do-mar-do-Atlântico encontra-se agora no aquário central do Oceanário, onde coabita com dezenas de outras espécies, como tubarões, peixes-lua e meros.

Veja o vídeo da sua introdução no aquário central.

 

Artigos relacionados

Fotógrafa portuguesa vence Dog Photographer of the Year

O Kennel Club anunciou os vencedores da 12ª edição do “Dog Photographer of the Year” e a vencedora foi Maria Davison, de Lisboa, com uma fotografia de uma cadela bebé a descansar junto aos pés da sua dona.

Tratadora morta por tigre em zoo de Inglaterra era “apaixonada pela vida selvagem”

“Muito dedicada ao trabalho. Era isto que ela gostava de fazer”, admitiu a mãe de Rosa King, depois do episódio que ocorreu por volta das 11h15 desta segunda-feira.

Aos 45 anos. Morreu o mais velho orangotango em cativeiro na América do Norte

O orangotango mais velho em cativeiro na América do Norte morreu no passado fim de semana, aos 45 anos, no Jardim Zoológico de Toledo, nos Estados Unidos.