Águia-perdigueira é a Ave do Ano 2018

Águia-perdigueira é a Ave do Ano 2018

A mais pequena e discreta das três grandes águias que ocorrem em Portugal é a Ave do Ano 2018. Apesar de estar atualmente em expansão no sul do país, a águia-perdigueira (também conhecida por águia-de-bonelli), enfrenta diversas ameaças e tem por isso em Portugal o estatuto de conservação “Em Perigo”.

B.I. 
A águia-perdigueira também conhecida por águia-de-Bonelli Aquila fasciata é uma ave de presa de grande porte, que pode ser observada durante todo o ano nos seus territórios. Os adultos distinguem-se pelo corpo claro e asas escuras e pela singular mancha branca no dorso, enquanto os juvenis têm uma plumagem distinta dominada por tons ruivos.

O que come?
É uma exímia caçadora que adapta a sua dieta às presas mais abundantes, como pombos, perdizes e coelhos, podendo mesmo capturar presas tão grandes como a garça-real, sendo comum a adoção de estratégias de caça cooperativa pelos membros do casal. Os seus voos acrobáticos, com função nupcial e de defesa do território, são dos espetáculos mais impressionantes da natureza.

Situação em Portugal
A população portuguesa de águia-de-Bonelli está classificada como Em Perigo pelo Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal e em 2011 foi estimada entre 116 a 123 casais reprodutores, em que cerca de 70% nidifica em árvores, ao contrário do que acontece com a maioria das populações europeias que nidifica em rocha.
Após um declínio acentuado nos anos 80, apresenta atualmente uma evolução positiva associada à contínua expansão dos casais no sul do país, que escolhem preferencialmente árvores como local de nidificação, o que permite à espécie ocupar áreas desprovidas de escarpas. Esta expansão em áreas florestais tem contribuído igualmente para a estabilidade atual da população portuguesa, que está concentrada em cerca de 80% na Península Ibérica.
Em Portugal, o maior núcleo rupícola encontra-se no Nordeste Transmontano, onde a SPEA e parceiros nacionais e internacionais estão a desenvolver ações de conservação no âmbito do projeto Life Rupis de forma a impedir a regressão dos casais do Douro Internacional.

Curiosidades
» O seu nome, águia-perdigueira, deve-se a ser um exímio caçador em pleno voo, desde perdizes a pombos domésticos.
» No norte a espécie nidifica em escarpas, nos vales dos rios Douro e Tejo e a sul do Tejo preferem árvores de grande porte.
» A espécie é conhecida por nidificar a sul do Tejo em árvores de grande porte (sobreiros, eucaliptos e pinheiros), algo muito raro em Espanha, país onde se concentra 60% da população da espécie. Portanto o rápido crescimento do espécies nidificar em árvores nos últimos anos é diferenciador de outros países.
» A espécie é monogâmica e ambos os adultos cuidam das crias (uma a duas por ninho). Geralmente os pais têm vários ninhos que vão ocupando  alternadamente em diferentes anos.

Ameaças
Apesar da tendência geral positiva, a águia-de-Bonelli continua a enfrentar várias ameaças, entre as quais se destacam:
» A perda e degradação do habitat associadas às alterações do uso do solo, que têm consequências ao nível da disponibilidade de presas em particular para a população rupícola do nordeste transmontano.
» Disponibilidade de locais de nidificação para a população arborícola, nomeadamente o rápido desaparecimento de árvores de grande porte, onde prefere nidificar.
» A perturbação durante a época de reprodução (que se estende de dezembro a junho), pois é uma espécie particularmente sensível à presença humana em redor dos ninhos.
» Mortalidade em linhas elétricas que afeta adultos e juvenis.

Mais informações no website da SPEA.

Artigos relacionados

Tommy: o gato com um coração no peito que encontrou casa a tempo do Dia dos Namorados

Implorava por comida à porta de uma agência imobiliária em Rochester, Inglaterra, mas pouco tempo depois encontrou um novo lar.

Preparar a chegada do cachorro a casa

Chegou o dia de ir buscar o membro mais recente da família! Que grande excitação! Será que pensou em tudo? Será que não lhe vai faltar nada? Existe uma série

Como cortar as unhas ao gato?

Com exceção dos gatos que vão à rua, aos quais as unhas não devem ser cortadas, nos gatos de casa pode ser necessário cortar as unhas não só para evitar arranhões excessivos aquando das brincadeiras, mas porque, por vezes, as unhas “enrolam” e cravam-se na almofadinha plantar.